Portal sentados

Setenta alunos do curso de Licenciatura em "Pedagogia da Terra" participaram da cerimônia de Colação de Grau no último sábado (15.07), em São Luís. O curso é realizado pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), através da Universidade Federal do Maranhão, e tem o apoio técnico e estrutural da Fundação Sousândrade.

Portal 2 plateia em pe

A turma, “Florestan Fernandes”, é a segunda formada pelo Pronera no Estado. São jovens e adultos de assentamentos reconhecidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), assim como quilombolas e trabalhadores cadastrados na autarquia. Eles poderão atuar nas séries do Ensino Fundamentl e desenvolver atividades na gestão de processos educacionais nas escolas formais, não–formais e em movimentos sociais. A turma é formada por 72 alunos, mas dois deles não puderam participar da cerimônia. 

Banner-PRA-SABER--242x110

Começou nesta segunda (17.07) o programa "Pra Saber +", do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema), coordenado pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Através deste programa profissional, que conta com o apoio logístico da Fundação Sousândrade, 55 alunos de São Luís vão participar de práticas de empresas, como atividade de extensão do aprendizado em sala de aula. O projeto é piloto e deve se estender para as outras unidades no próximo ano.

Os estudantes terão a oportunidade de participar em três ou quatro dias em seu horário de disciplinas técnicas da vivência profissional elaborando ao fim do período um portfólio de registros em textos e fotos resultantes das atividades realizadas. Cada aluno vai vivenciar sua experiência no setor da empresa relacionado ao seu curso (eventos, informática, meio ambiente e serviços jurídicos). As empresas parceiras são o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Workeduc (startup), Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Ommnizy (startup), Cimento Bravo, Dona Rita (startup), Espaço Gaia, Offzone e Class Eventos.

De acordo com o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, o Iema inova ao estabelecer uma vivência profissional que antecede a realização do estágio. “Os estágios sempre ficam para os últimos anos do curso técnico e essa prática também é comum no ensino superior. A ação permite que os estudantes tenham contato com o mercado de trabalho, com o ambiente profissional em que irão atuar. Eles vão adquirir conhecimento na prática e, com certeza, trarão retorno nas aulas a partir da experiência. O objetivo central da vivência profissional é inovar ao estabelecer a prática durante todo o curso técnico”, disse o secretário, reiterando que os estudantes ficarão muito mais preparados do ponto de vista do mercado de trabalho. “A ação tem em vista fazer dos estudantes profissionais muito mais prontos para o mercado do que outros cursos de outras instituições”, acrescentou.

Segundo o coordenador de estágio do Iema, Celso Rodrigues, é muito importante que o aluno sinta o ambiente do mercado de trabalho antes do momento do estágio. “É fundamental quando o estudante pode conversar com profissionais da área no momento que firmamos parceria com as empresas para tenha um contato com a área que ele estuda e pretende seguir”, explicou.

 

Fontehttp://www.iema.ma.gov.br/iema-inicia-na-proxima-segunda-feira-17-projeto-para-saber-programa-de-vivencia-profissional/

 


Leo e Rafael

Um dos resultados positivos do III Encontro Norte e Nordeste das Fundações de Apoio- ENNFAIES, que aconteceu em Fortaleza, nos dias 8 e 9 de junho deste ano, foi a apresentação de um modelo mais detalhado para demonstração das Despesas Operacionais Administrativas (DOA). Os coordenadores de projetos da Fundação Sousândrade, Leanderson Marinho e Allysson Rafael Campos (foto), participaram do evento que reuniu colaboradores de 22 fundações, e destacam a formação da DOA como um dos assuntos de interesse da FSADU.

O modelo de cálculo foi compartilhado pela Fundação Coordenação de Projetos, Pesquisas e Estudos Tecnológicos – COPPETEC, de apoio à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A formação da DOA é fundamental para as fundações, que, por não terem fins lucrativos, não podem cobrar taxas administrativas nos projetos, mas, sim, serem ressarcidas de suas despesas. “A COOPTEC demonstra de forma simplificada essas despesas, e o relatório deles foi um dos pontos positivos do III ENNFAIES”, disse Rafael Campos.

O responsável pelo modelo aplicado na COOPTEC, Luís Carlos Souza, disse que desde o encontro está recebendo muitas solicitações das fundações por adaptações às suas realidades e afirma que está disponível para apoiar a quem precisar. “Acredito que um diferencial neste modelo é o nível de detalhamento das despesas. O principal objetivo é o mapeamento. Estamos abertos para compartilhar como fazemos”. Mais informações sobre a COOPTEC em http://www.coppetec.coppe.ufrj.br/site/index.php.

PROGRAMAÇÃO EXTENSA- A programação do III ENNFAIES contou com a palestra de abertura "As ações do CONFIES na busca da melhoria de eficiência das fundações de apoio", ministrada pela professora Suzana Montenegro, vice-presidente do CONFIES. Em seguida, mesa-redonda tratando da Governança e compliance.

Foram formados grupos de discussão com os temas: Relação FA/IFES, Normas para aprovação de recredenciamento pelo GAT, Apresentação do Portal Nossa Ciência. Para encerrar a programação do primeiro dia (08), houve a Mesa-redonda: Autorregulação das Fundações de Apoio.

plateia III ENNFAIES

No dia seguinte, as atividades recomeçaram com grupos de discussão sobre os temas: Formação da DOA (Despesas Operacionais Administrativas), Processos de compras e a nova legislação e Retenções tributárias em serviços contratados. Para encerrar o evento, o chefe da Controladoria Geral da União (CGU) no Ceará, Roberto Medeiros, falou sobre "As Fundações de Apoio e sua relação com as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), na visão da CGU".

“O encontro foi muito proveitoso, com a programação dividida em oficinas e mesas redondas, todas com temas atuais, o que gerou uma grande motivação à discussão e troca de experiências”, analisou o coordenador Leanderson Marinho.

O III ENFAIES foi realizado pela Fundação de Apoio a Serviços Técnicos, Ensino e Fomento a Pesquisas (ASTEF), Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura (FCPC) e Centro de Treinamento e Desenvolvimento (Cetrede), com apoio da Universidade Federal do Ceará - UFC. A primeira edição do ENNFAIES foi em São Luís, em 2015; a segunda, em Belém (PA), em 2016.

Capa vídeo professor Moisés Correa.Ações Culturais para acervos

 Em agosto, o historiador Moisés Corrêa (RJ) ministrará um curso presencial em São Luís sobre como trabalhar com acervos das instituições. O Curso "Ações educativas e culturais para acervos de memória" é uma parceria entre a consultoria Alianças Estratégicas e a Fundação Sousândrade e será realizado na Fundação. São oferecidas duas turmas de escolha para o aluno: Turma 1- 09 e 10.07 (tarde e noite) e Turma 2- 11.07 (tarde), 12.07 (manhã e tarde) e 13.07 (manhã). As inscrições estão abertas e podem ser feitas aquiClique no vídeo para ver o convite do professor.

Para saber mais sobre o curso, a responsável pela consultoria Alianças Estratégicas, Dejenane Gusmão, consultora em Gestão da Informação, será a entrevistada do próximo programa Qualificar, na rádio Universidade FM. Dia 17 de julho, segunda-feira, às 17h50. Não perca!     

 

OBJETIVOS DA APRENDIZAGEM

A partir da conclusão bem sucedida do curso, aguarda-se que os participantes:

  • Apliquem a ideia de Comunicação às estratégias de difusão e compartilhamento do conhecimento;
  • Trabalhem com a “memória” na interface: Educação-Cultura-Comunicação;
  • Elaborem práticas e se utilizem de ferramentas para comunicar as potencialidades dos acervos de memória;
  • Construir mecanismos de abertura ao público dos acervos de memória;
  • Construir, de acordo com uma realidade específica, um plano de comunicação e suas estratégias; consoante à política de memória e à política de acervo.

 CONTEÚDO

  • Abordagens de comunicação para acervos de memória.
  • Como trabalhar Educação-Cultura-Comunicação?
  • Processos de elaboração de estratégias de comunicação.
  • Exposição – Ambiente Virtual – Conteúdo impresso.
  • Divulgação e disponibilização de acervos de memória.
  • Espaços educativos com acervos de memória. 

 

 METODOLOGIA

  • Abordagem expositiva com auxílio de recurso audiovisual.
  • Desenvolvimentos práticos de estratégias de comunicação.
  • Estudo de projetos aportados na concepção Educação-Cultura-Comunicação.
  • Debates a serem desenvolvidos pelos participantes do curso sobre ideias e conceitos-chave para a formação.

 

MINISTRANTE

Prof. Moises Correia Fonseca da Silva / RJ

 

PÚBLICO ALVO

Todos os profissionais que trabalham com áreas ligadas à Gestão de Conhecimento, Publicidade e Marketing, Recursos Humanos, Comunicação Social, entre outras. Além de profissionais oriundos de áreas das Ciências Humanas e Aplicadas, como Historiadores, Jornalistas, Sociólogos, Antropólogos, Bibliotecários, Psicólogos; e empresários de quaisquer empresa.

 

VALOR

R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais)

 

PERíODO DO CURSO

TURMA 01 - 15, 16 e 17, SETEMBRO de 2017 - Tarde e Noite

TURMA 02 - 18 e 19, SETEMBRO de 2017

 

CARGA HORÁRIA 

16h (com certificação digital)

 

 

 

 

 

Clique abaixo para ouvir a entrevista na Rádio Universidade FM, com a realizadora do curso, Dejenane Gusmão.


Pagina 9 de 32

Back to Top